Ecoturismo e Turismo Cultural em Fortaleza

ECOTURISMO 


Parque Ecológico Rio do Cocó

Com cerca de 446 hectares preservados, o Parque Ecológico é cortado pelo Rio Cocó, maior curso de água na área urbana da capital com 45 quilômetros de extensão.
Considerado um dos maiores parques em área urbana da América do Sul, ele é localizado em Fortaleza, daí suas funções de caráter polivalente: proteção e educação ambiental, lazer, técnico-científico etc.
O manguezal do rio Cocó forma uma mata de mangues onde várias espécies de moluscos, crustáceos, peixes, répteis, aves e mamíferos compõem cadeias alimentares com ambientes propícios para reprodução, desova e crescimento.
• Nos limites do Parque é possível fazer um passeio de barco pelo Rio, e apreciar toda a beleza da sua fauna e flora;
• Sua infraestrutura de lazer compreende quadras esportivas, pistas de cooper, anfiteatro e lanchonetes;
• Percorrer as trilhas ecológicas do Parque é também uma boa opção;
• Atividades promovidas pelo Projeto Parque vivo, de visitação e conscientização ecológica para preservação do mangue.
A área possui duas entradas, sendo uma pela  Av. Engenheiro Santana Júnior e Rua Andrade Furtado e outra pela Av. Sebastião de Abreu – Papicu.


Parque Adahil Barreto  
Conhecido como antigo Parque do Cocó, cobre uma área de 44 hectares onde predominam manguezais e o verde de árvores típicas da flora cearense. Conta com um amplo espaço urbanizado para atividades de lazer.
Rua Mal. Virgílio Borba, s/n – São João do Tauape.


Reserva Ecológica particular da Lagoa do Sapiranga
Quem reside em Fortaleza pode desfrutar do privilégio de fazer ecoturismo sem sair da cidade. No bairro Cidade Leste, está encravada a Reserva Ecológica de Sapiranga, situada a menos de 30 minutos do Centro e bem próxima de algumas das principais opções de lazer e diversão de Fortaleza.
Na reserva impera um clima de paz e tranqüilidade e o som dominante é o canto dos pássaros que habitam o lugar. Percorrendo as diversas trilhas, a pé ou a cavalo, sobram curiosidades e aventuras. Sob a orientação de guias, tem-se a oportunidade de ver de perto um vasto manguezal, repleto de espécies como caranguejos, siris e guaiamuns; vegetação de grande porte como coqueiros e carnaubeiras, mata de tabuleiro e pequenas plantas, algumas com flores. Até ecoturistas mais exigentes se encantam com a reserva. Se o visitante de Sapiranga tem interesse em ornitologia vai adorar o passeio, devido à diversidade de pássaros, com destaque para as garças brancas e cinzas, o Martim pescador, socós e bem-te-vis. Pequenos seres, como borboletas e lagartas, também despertam a curiosidade dos visitantes, que conferem ainda a presença de animais como raposas e guaxinins, além de répteis. O passeio de barco pelo manguezal, quando o nível da água permite, também é uma divertida opção de lazer.


Parque Estadual Marinho da Pedra da risca do Meio 
Em Fortaleza, existe um verdadeiro santuário ecológico, localizado no fundo do oceano, um importante pólo de turismo ecológico, além de um verdadeiro laboratório de pesquisas. Lá os estudantes e pesquisadores poderão observar a fauna e flora marinha ao vivo, seus hábitos, relações e importância no ecossistema.
Além de ser um dos melhores pontos de mergulho de Fortaleza é um importante ponto de pesca. No entanto, é proibida a pesca indiscrimada, a captura de lagostas, a lavagem de porões de qualquer tipo de embarcação e o descarte de lixo de qualquer natureza. A fiscalização e a administração estão a cargo da SEMACE.
No parque, é possível a prática da pesca de linha com anzóis de forma esportiva ou artesanal. Também é uma excelente área de mergulho livre autônomo para observação ou pesquisa.
Principais pontos de mergulho: Avião (29m), Pedra Nova (19m), Cabeço do Arrastado (21 a 23m), Pedra do Mar (24m). Lembrando que alguns desses pontos exigem credenciamento avançado.
As principais espécies encontradas no parque são: a Tartaruga Marinha, o Golfinho (ou boto), Tubarão Lixa (Ginglymostoma cirratum), Arraia ou Raia Manteiga (Dasyatis centroura), Lagosta, Paru Preto (Pomacanthus paru), Peixe Anjo (Holacanthus ciliaris), Biquara (Haemulon plumieri), Moréia, Paru Cinza, Trombeta, Cangulo Velho, corais, esponjas entre outros.
O parque está localizado a cerca de 18 km do Porto do Mucuripe, a uma profundidade que varia de 23 a 29 m. Só é possível chegar de barco (uma hora e meia de viagem) e com instrutores que conheçam bem o local.
Oferece curso de mergulho com a duração de duas semanas. Na inscrição estão inclusos aluguel do equipamento e batismo (primeiro mergulho) no Parque.
Informações com o Projeto Netuno.



TURISMO DE PRAIA E SOL

Praia do Futuro

Com uma larga faixa de oito quilômetros de areia branca e águas limpas a Praia do Futuro é a praia urbana preferida para banho de mar entre os banhistas de Fortaleza e turistas. A praia conta ainda com uma exemplar infra-estrutura de barracas de praia.

As maiores contam não apenas com centenas de mesas (algumas sobre a areia da praia, outras dentro das barracas), mas com uma estrutura comparável a hotéis: piscinas, play ground, palcos para shows de música e humorismo.

Os fortes ventos provocam ondas mais altas, boas para surf e windsurfe, mas requer atenção redobrada dos banhistas. A praia é muito badalada nos finais de semana. Escolha uma entre as diversas barracas e aproveite o sol.


Praia do Meireles

Meireles é o trecho de praia situada ao redor da Feirinha de Artesanato e do Clube Náutico de Fortaleza. A área concentra grande número de hotéis, restaurantes, lojas e outros serviços turísticos; muitas vans de turismo, que oferecem passeios na cidade e pelo litoral. As vans têm o Meireles como ponto de saída e chegada.

Também no Meireles, com suas largas calçadas, encontram-se diversas barracas à beira-mar. As barracas têm acesso ao calçadão e à areia da praia, sendo convenientes tanto para descansos rápidos durante uma caminhada, como para um almoço ou jantar a beira-mar.


Praia do Mucuripe

Essa área é bastante movimentada durante todo o dia. Tanto fortalezenses como turistas vêm ao Mucuripe para caminhar, almoçar, jantar, comprar artesanato e lembranças na feirinha (após o entardecer), ou apenas apreciar o ambiente de beleza e tranqüilidade.

Mucuripe é a continuação da Praia do Meireles, no sentido leste. Não há um claro marco divisório entre essas praias. O calçadão do Mucuripe atrai diversas pessoas, que vêm para passear, caminhar ou assistir às peladas nos campos de areia.

No final da praia, próximo ao Porto de Mucuripe, pode-se ver diariamente uma profusão de jangadas e outros barcos rústicos. Existem diversas jangadas turísticas espalhadas por Fortaleza, para que os turistas tirem fotografias.

Na praia do Mucuripe as jangadas são de fato utilizadas como meio de vida pra diversas famílias de pescadores. Dependendo do horário, pode-se ver os jangadeiros ajudando-se mutuamente no trabalho manual (utilizando tábuas roliças) de levar as jangadas para o mar e de volta para a areia.

No final da avenida beira-mar, encontra-se o mercadinho de peixes e frutos do mar; pode-se não apenas admirar a fartura de peixes, lagostas, lulas e crustáceos, mas também comprar pequenas porções e levá-las para que sejam preparadas em pequenas barracas, no próprio
mercado.

É do Mucuripe que partem os passeios de escuna. As embarcações podem levar algumas dezenas de pessoas, e são vistoriadas para garantir a segurança dos passageiros. Informe-se nos quiosques localizados nas calçadas da praia. O mar calmo é ótimo para banho.


Praia de Iracema

Famosa por ser predileta do poetas e intelectuais, a praia de Iracema retrata a boemia da cidade. A praia é limitada por quebra-mares, tem ondas fortes, recifes e areia grossa.

Praia de Iracema, a pesar do nome, não é exatamente uma praia. É um bairro, junto ao mar, que conta com a maior concentração de bares e restaurantes da cidade. É lá que fica um dos cartões postais de Fortaleza, a Ponte Metálica.

A partir de meados dos anos de 1940, as obras do porto do Mucuripe provocaram alteração no movimento das correntes marinhas, que atingiram violentamente a Praia de Iracema. A destruição de parte do casario e a drástica redução da faixa de praia provocaram o abandono
dos usos que lá se verificavam: o balneário entrou em decadência e os pescadores, em sua maioria, partiram para outras praias.


TURISMO CULTURAL

Catedral Metropolitana de Fortaleza
Sua construção predominando o estilo neogótico iluminada por belos vitrais, se iniciou em 1938, no local da antiga Igreja da Sé. Foram quatro décadas de dificuldades, até ser inaugurada em 1978. Com capacidade para 5.000 pessoas, tem estilo gótico-romano.
Rua Sobral, s/n - Centro


Forte de Nossa Senhora da Assunção
O local marca o início do povoamento de Fortaleza. Foi construído em 1649, pelo holandês Matias Beck, às margens do Riacho Pajeú, quando recebeu a denominação do Forte de Schoonemborch. Em 1654, após a expulsão dos holandeses, os portugueses ocuparam o forte, rebatizando-o de Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção. Foi, depois de 1819, que a Fortaleza tomou a forma que hoje tem. Hoje é sede do Comando da 10ª Região Militar.
Avenida Alberto Nepomuceno, s/n. – Centro.


Praça dos Mártires (Passeio Público)
Situado entre as ruas Barão do Rio Branco, Dr. João Moreira e Floriano Peixoto, ao lado da 10ª Região Militar. Foi local de fuzilamento dos revolucionários vencidos na Confederação do Equador, em 1824. No final do Séc. XIX, o local passou a ser o elegante Passeio Público ponto de encontro da sociedade fortalezense.  A Praça tem vista para o mar, árvores centenárias, estátuas de deuses gregos,  e hermas de vultos cearenses.
Rua Dr. João Moreira, s/n – Centro.


Ponte dos Ingleses
 A construção foi iniciada em 1923, pela empresa inglesa Nestor Grifts. A visita à Praia de Iracema não fica completa sem um passeio à Ponte dos Ingleses para apreciar a  vista do pôr do sol que é considerada a mais bela da cidade.
Rua dos Cariris, s/n - Praia de Iracema.


Praça do Ferreira 

É o coração da cidade, sendo local de encontros, passeatas, atos públicos, exposição de artes plásticas. Nos anos 90 voltou as linhas iniciais com a Coluna da Hora refeita e a recuperação do marco primordial, do tempo em que tudo se transportava no lombo de burro e cavalo: o cacimbão em pedra dava de beber aos animais.
Situada entra as ruas Floriano Peixoto, Guilherme Rocha, Gen. Bezerril e Pedro Borges.- Centro


Museu Arthur Ramos (Casa José de Alencar) 

Possui um acervo de 3.000 a 5.000 peças, entre elas, mostra da cultura indígena do Ceará e peças de origem africana.
A casa onde nasceu o escritor  José de Alencar  em 1829 foi construída pelo Padre José Martiniano de Alencar e faz parte do patrimônio da Universidade. No sítio, arqueólogos escavaram as fundações do primeiro Engenho de Ferro do Ceará construído em 1936 pelo Padre Martiniano.
Av. Washington Soares, 6055 – Messejana.


Teatro José de Alencar
Inaugurado a 17 de junho de 1910, o Teatro José de Alencar sintetizou os ideais de “civilização e progresso” do início do século. Seus imensos vitrais coloridos e a trabalhada estrutura de ferro vieram da Escócia para sua construção. A planta determinava um teatro jardim, licença especial concedida pelo calor dos trópicos, permitindo uma passagem a céu aberto entre os seus dois blocos: o primeiro, uma estrutura neoclássica voltada para a praça José de Alencar encimado pela elegância do foyer; o segundo os iluminados vitrais e os arabescos art-nuveau nas escadas, frisas, frontões e sacadas. Além do nome, o escritor cearense foi homenageado com as pinturas no teto e paredes, representando suas obras mais importantes. O Teatro ganhou o jardim de folhagens tropicais, assinado por Burle Marx.  Restaurado em 1990, incorporou um anexo onde funciona a Biblioteca Carlos Câmara, cursos de canto e dança, salas para ensaio e formação de atores e diretores, além da Praça Mestre Pedro Boca Rica e do Teatro Morro do Ouro palco para apresentações do circuito local.
Tombado como patrimônio histórico nacional, constitui um dos mais significativos monumentos artísticos da cidade com quase um século.
Rua 24 de Maio, 600 - Centro


Centro Cultural Dragão Mar
Inaugurado em 1998, com 30 mil m2 sendo seu nome uma homenagem ao Jangadeiro Francisco José do Nascimento, líder do movimento que interrompeu o fluxo de escravos no Porto de Fortaleza, mais conhecido como Dragão do Mar.  Possui atrações como:
Memorial da Cultura Cearense – exposições de curta duração, ensaios antropológicos e a arte espontânea de mestres geralmente autodidatas. Arte informal que, com pureza e originalidade, apresenta a essência inventiva da cultura cearense em vários modos de expressão.
 Museu do Vaqueiro -  exposição cenográfica, reunindo objetos, fotografias, musica original, e filme retratando o difícil modo de vida do Vaqueiro.
 Museu de Arte Contemporânea –  guarda obras que  formam a Pinacoteca do Estado e o acervo do pintor Antonio Bandeira além de  exposições temporárias.
Teatro Dragão do Mar -  capacidade para 250 pessoas.
Anfiteatro Sergio Mota – local para shows com 800 lugares
Oficina de Arte – espaço para oficinas e cursos
Planetário Rubens de Azevedo – capacidade para 100 pessoas, com moderno equipamento que reproduz com fidelidade e simula os mais variados fenômenos astronômicos. Atua no binômio turístico pedagógico, atingindo o público e escolas públicas e privadas. 
No Centro Cultural, o turista encontra ainda salas de cinema, auditório, atelier e salas de aula, livraria, café, restaurantes e uma loja de artesanato da CEART (Central de Artesanato do Ceará).
Av. Alm. Tamandaré, 310 – Praia de Iracema.

Fonte: Setur